Por que você deve adquirir um Citroën C6 agora

Você gosta de carros incomuns? Você ama o que não está estacionado em cada esquina? E você odeia carros elétricos sem rosto? Então já é hora, porque os veículos característicos estão gradualmente desaparecendo do grande palco. O que é raro inclui o Saab 9-5 NG e o Citroën C6.

Ambos foram produzidos apenas em pequenos números, 11.320 veículos saíram das portas da fábrica na Suécia e 23.384 em Rennes. Enquanto a Saab tinha apenas alguns meses disponíveis para o ato final do 9-5, a França levou 7 anos para fazê-lo.

O que os dois veículos têm em comum é que são os últimos grandes sedãs de sua marca.

Citroën C6 - o último de uma longa linha de grandes Citroëns
Citroën C6 – o último de uma longa linha de grandes Citroëns

O último de uma longa tradição

Na Saab, isso pode ser dado como certo, nada acontecerá. Mesmo que haja um renascimento em Trollhättan no futuro, ele não terá mais o lendário nome Saab. Na Citroën as opções são comparativamente abertas. Tudo é possível. Mas na situação atual, os grandes Citroëns têm o nome DS e não o duplo ângulo. Eles têm principalmente a ideia de marketing em comum com a tradição do C6 para trás, passando pelo XM, CX e o DS original.

E se um dia, ao contrário do que se esperava, um novo e grande Citroën fosse comprado, certamente seria puramente elétrico e definitivamente não teria mais hidropneumáticos a bordo.

Não é mais uma dica privilegiada

Claro, o C6 não é mais uma dica privilegiada. Os entusiastas já descobriram há muito tempo a peça de design por si próprios. Os preços estão em contínua subida, pode-se pagar cerca de 20.000€ por um gasóleo com menos de 100.000 quilómetros. A única coisa que tem um efeito atenuante na evolução dos preços é a política da Stellantis, que não mantém o C6 como um carro clássico e mais ou menos deixou de o apoiar.

Foto de imprensa da Citroën Alemanha
Foto de imprensa da Citroën Alemanha

Vale a pena olhar além-fronteiras na hora de procurar um Citroën C6. Na Suíça você sempre pode encontrar o C6 a preços moderados e às vezes você encontra uma joia. Então você se depara com um dos raros motores V6 a gasolina (Ligação), que, com 2.783 veículos, representa menos de 12% de todos os C6 produzidos.

Que o preço também é amigável para um veículo bastante bem conservado e que Exclusivo O equipamento contém tudo o que você poderia desejar, completando o sonho do C6.

O Citroën C6 estraga tudo o que veio depois dele

Claro, você não deve hesitar tanto. A última grande hidropneumática (Hidratante 3 +) A Citroën destrói impiedosamente tudo o que a marca Doppelwinkel apresentou depois. O C5 de fabricação chinesa

Seu design parece desajeitado e arbitrário – em comparação direta.

Um Citroën C6 como este cita o passado, faz lembrar o verdadeiro DS e o CX, o seu vidro traseiro é curvado para dentro, o capô é demasiado comprido e os vidros laterais não têm moldura. O interior, por outro lado, é contemporâneo. A equipe do designer Marc Pinson mobiliou o C6 da mesma forma que os apartamentos caros em hotéis de luxo eram mobiliados na época.

Estilo na tradição dos grandes sedãs de turismo
Estilo na tradição dos grandes sedãs de turismo

O valor de permanecer no C6, portanto, ainda hoje é elevado. Conduzir é uma viagem de bom gosto e, mais de 10 anos após o fim da produção, também uma imersão num mundo automóvel em declínio.

Estratégia na hora de comprar um C6

Quem está se aquecendo para o Citroën C6 deve agir prontamente, pois a seleção está cada vez menor. E ele deveria pensar estrategicamente, se possível. O primeiro ponto seria encontrar e comprar o espécime melhor e bem conservado possível. O ponto 2 é adquirir outro C6 aproximadamente compatível como transportador de peças de reposição e armazená-lo.

Porque uma coisa é clara. Painéis de carroceria e peças de acabamento se tornarão cada vez mais raros de comprar, eletrônicos específicos podem ser reparáveis, mas é mais inteligente manter os itens em estoque e possuí-los duas vezes. Porque o último grande Citroën deveria, é claro, flutuar, e não apenas ficar parado na garagem.

Imagens da Citroën Communications

pensamentos 7 sobre "Por que você deve adquirir um Citroën C6 agora"

  • Meu cunhado já teve um como veículo novo e inicialmente ficou emocionado. Até que os reparos começaram no primeiro ano e o veículo se transformou, devo dizer, em uma lata de oficina. No final ele ficou apenas xingando e feliz quando o contrato de locação terminou.

    Responder
  • Em uma das últimas edições do AutoBild Klassik havia várias páginas sobre o C6, incluindo visualizações, preços, avaliações, ... Recomendo o artigo além da contribuição do Tom.

    Responder
  • A Citroen ainda poderia fazer isso muito bem!
    Já estive pensando no C6 antes, mas estou ocupado com meus SAABs. Estou surpreso que nem tenha sido mais comprado na França.

    Responder
  • Já haveria um na minha garagem se não fossem todas as preocupações mencionadas acima. O C6 é um sedã icônico que complementaria perfeitamente a frota da Saab.

    Responder
  • Considero o C6 ainda mais exótico do que um Saab 9-5 NG. Das 9h às 5h você sempre tem uma chance, a comunidade Saab é bem organizada. Com o Citroën é mais um jogo de risco com um resultado incerto. Mas ele é lindo...

    Responder
  • Também tive a ideia de que se você comprar um C6, compre imediatamente um segundo para guardar peças de reposição. Aqui na Áustria não há muita escolha, mas os preços costumam ser baixos. O problema é que, pelo menos segundo as propagandas, muitos provavelmente não eram vistos como carros de colecionador, mas sim como carros de consumo.
    Importar da Suíça não faz sentido para nós por causa dos impostos, eu ficaria mais preocupado com a competência das oficinas. Quão bem a oficina atual da Citroen sabe lidar com um C6 quando algo específico do C6 acontece? E se apenas jovens mecânicos que nunca viram um C6 trabalharem lá? E quanto a pequenas coisas como limpadores de pára-brisa, etc., que provavelmente não são usadas com tanta frequência.
    Com os Saabs estamos muito melhor em tudo isso e a família GM também é útil se necessário.

    Responder
    • Já tínhamos exatamente esses pensamentos. A oficina Citroën (clássica) próxima afasta o C6. Nem precisa de se deslocar até à Stellantis, o antigo representante da Citroën (com competência) encerrado há anos. Há alguém na região de Frankfurt que negocia com C6 de alto preço, mas será que ele também tem experiência em oficinas?

      Responder

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com * marcado